Sahga

  • Recentes

    DEUS OFENDIDO

    Há quem insista em defender Deus. Ouvi coisas do tipo ''lave sua boca'' ou ''escove os dentes'' para falar de Deus. Ora, quem tem que me dizer algo do tipo seria Ele próprio. Se até de intermediário Ele precisa para me dar uma ordem, suponho que seja um cara frágil. Um Deus que não tem capacidade de falar com o mais imbecil, errado e deturpado ser humano de que serviria? Só fala com bonzinhos? Inconcebível que tenha necessidade de um ''garoto de recados''. Aos crentes que insistem nisso devo dizer: Pai, perdoa-os porque não sabem o que fazem!"

    Se eu disser "Deus, és mau" o máximo que pode ocorrer é ele rir. Ficaste horrorizado em eu escrever isso? Exatamente: TU ficou horrorizado. Seria falta de respeito para com a tua fé? Evidente que não, pois em nada foi mencionado sobre a tua vontade de crer. Ou seja, ficaste ofendido pela mais absoluta falta de entendimento sobre o quê seria o quê, e quem seria quem. A ofensa só ocorre quando o "ofendido" se sente atingido. Há sentimentos envolvidos. Revela uma fraqueza. Se alguém, pensar que você é um criminoso nada ocorrerá. Mas se disser você reagirá porque fere seus sentimentos. Mas para Deus, que supostamente tem acesso aos nossos pensamentos, suponho, não faça diferença. Assim, se alguém PENSAR "Deus é ruim" não haverá quem o defenda, cabendo a Ele somente lidar com isso.

    Noutro cenário, onde um sujeito está em seu leito de morte, agonizante, aos berros, no desespero de sucumbir, xingar a Deus pelo seu destino, ninguém vai discutir com o moribundo. Apenas vão entender seu desespero e deixá-lo consigo mesmo. Horrorizados, lamentarão por ir para o Inferno... Resta ainda outro exemplo, um imigrante, cujo idioma não conheces, xinga Deus diante de ti. Por não entendê-lo nada farás, restando apenas ao Todo Poderoso resolver a situação. Se a defesa de Deus tem diversas dependências e não poderá ocorrer sempre é óbvio que Ele não se sujeitará a humanos pra isso.

    Mas vamos às considerações sobre que tipo de Deus estamos falando. Para tanto faça um exercício mental e defina as características do Deus que você acha que seja o verdadeiro. Contudo, já adianto que um Deus justo não pode ser ao mesmo tempo misericordioso. Basta verificar o conceito de cada palavra.

    Muito simples: defende-se quem é inferior, frágil ou está ausente. E seria isso que pensas de Deus? Um ser frágil? Se eu quisesse xingar a Deus (vontade que não me falta, haja visto sua passividade com o crime!) nada mudaria. Ora, ele não pode ser ofendido. Ofender-se é fragilidade humana, requer sentimento e, principalmente, carência. Deus não tem sentimentos porque é absoluto. Ele basta a si mesmo. Todos os conceitos que se vê nas religiões atestam um Deus não absoluto. Não passa de um ser dependente de ações humanas para agir. Sim, se ele faz algo porque você creu ou pediu isso significa que a vontade dele está submetida à tua.

    Mas o que faço? Sou conhecedor do que seja Deus? Não, dele nada sei. Baseio-me tão somente num conceito de que ele seja absolutamente independente, sem carências e de que de nada tem necessidade. Que é exatamente o que dizem Dele as religiões e seus crentes. Caso ele não seja tudo isso minha tese cai por terra. O fato é que os crentes não percebem a incoerência do que falam: pode tudo, mas precisa de humanos.

    Deus só poderia ser ofendido se não fosse Deus.

    A ofensa, assim como o culto, projetam um Deus que não se basta. Se teu Deus é assim é bem provável que também tenha sido criado, não sendo eterno, não sendo onisciente, nem onipresente, tampouco onipotente. Lamento te dizer, procura outro.

    Nenhum comentário

    Post Top Ad

    Post Bottom Ad